terça-feira, 20 de setembro de 2016

Transbordando.

O choro é o que não cabe no corpo e transborda pelo o olhar.

Patrícia Rocha

Imagem da internet

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Fim.



Têm vezes que tudo fica confuso.
O que é verdade passa ser mentira.
O que é grande passa ser pequeno.
E o que é começo passa ser 
fim.

Patrícia Rocha




terça-feira, 22 de abril de 2014

Em construção...



Eu ainda sou essa poesia que rima e (des) rima.
Que faz prosa, só pra caber na tua fala.
Me faço e refaço, basta ser papel em branco a me tocar.
Sou poesia inacabada, esperando construção.
Sou pontuação, sou reflexo do que leio.
Ás vezes sou repetição.

Mas, de tudo que sou, gosto de ser vento, daqueles que sopra pra longe qualquer aflição.

Patrícia Rocha


sexta-feira, 22 de março de 2013

Conto sobre o tempo dos encontros.



Ela, menina esperta de sonhos a perder de vista.
Ele, menino esperto de sonhos que se perdem na esquina.

Encontraram-se no improviso do tempo, nas curvas que a gente não espera.
Mas, eles esperavam um pelo o outro. 

Ela: - Era tão fácil deixar seu toque chegar.
Ele: - Era tão fácil deixar seu riso me tomar.

(O tempo, esse mesmo que os enlaçou, tratou de surpreender.) 

Ela: - acho que seu toque não me chega mais. 
Ele: - acho que seu riso não me toma mais. 

O tique taque dos dias foi o silêncio, de pessoas que tinham tanto a dizer e a sentir. 
E explicação para isso, nem o tempo queria dar.
Apenas, o amor deixou de ser. (será?)

O tempo que gosta de passar, e fazer surpresas em suas esquinas.

Ela: - Quanto tempo!? Como estão seus sonhos? Ainda se perdem por aí? 
Ele: - Verdade... Muito tempo... Meus sonhos andam procurando os seus que teimam em se perder de vista dos meus. 

(O fôlego... o suspiro... isso o tempo tratou de levar e deixou espaço para o beijo brotar). 

Patrícia Rocha




sábado, 24 de novembro de 2012

Começo meu. Fim nosso.


Acabou sim
Teus beijos repousados em mim
Tuas mãos que se faziam em mim
Esse teu jeito de me deixar de existir
Pra existir só em você.

Agora sim 
Você me deixou livre para partir
Reconstruir, voltar a existir.

É o fim de nós. 
E o começo de mim.


Patrícia Rocha




quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Tão inteira...

"Não tenho todas as respostas, há tempos deixei de me fazer perguntas.
Tenho experimentado uma sensação de plenitude,
de certeza leve e alma descansada.

Mesmo que a vida ou minhas escolhas tenham me despedaçado,
nunca me senti tão inteira."

Renata Fagundes

Brigitte Bardot
 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo