domingo, 30 de outubro de 2011

Nosso melhor adereço!


"Todo mundo sente medo, sente dor, 
tenta consertar o que não tem conserto
carregamos marcas que não se apagam, 
ausências que fazem doer o peito.

Mas ainda é possível ouvir estrelas.
Deixar que nossa luz nos oriente.
Ainda podemos rir como se a alegria fosse nosso melhor adereço."

Renata Fagundes

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Permaneço...

Nos muros da vida
Tento pular
Passar adiante
Mas estou parada
Em um plano que não planejei
Em um momento que nem sei
Em um beijo que não roubei

O muro intacto, imóvel.
Confronta-me
Quebre-me, diz ele.
Não suporto olhá-lo
E se tudo der errado
E tudo deixar de ser eu
De ser você
O que farei?
Então, intacta e imóvel.
Permaneço.

Patrícia Rocha


Twiggy Lawson - Modelo e atriz

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Oração...


O menino levou meu coração 
Meu coração levou o menino 

Em oração 
Peço-o de volta 
Roubar assim 
Não pode não 


O menino 
Que levou meu coração 
Trouxe o dele 
Embrulhado em oração. 


Patrícia Rocha

A Lua - Tela de Tarsila do Amaral

Tarsila do Amaral teve a felicidade de ser reconhecida em vida e se consagrou como uma artista genuinamente brasileira. 
Sua beleza física marcou tanto quanto a sua arte. 
Seu amigo, o poeta Jorge de Lima, disse a ela: 
"Saudar você é como jogar uma rede no tempo e recolher beleza."
Tarsila morreu em 1973, aos 86 anos. Foi o símbolo da arte moderna brasileira.

Fonte: Tarsila do Amaral - Autoras: Ângela Braga e Lígia Rego.

domingo, 16 de outubro de 2011

Outra vez...


Ah!
Você foi!
Toda a felicidade
Você foi a maldade
Que só me fez bem
Você foi!
O melhor dos meus planos
E o maior dos enganos
Que eu pude fazer...

Roberto Carlos 


quinta-feira, 13 de outubro de 2011


Hoje me vesti da tua falta 
Tomei café com nossas lembranças 
Refiz os passos que juntos demos 
Tentei amarrar nossos laços desfeitos com o tempo 
Juntei peça por peça do quebra cabeça que éramos 
E dos cacos do que quebramos... 

Patrícia Rocha


terça-feira, 11 de outubro de 2011

Princesa menina


Era uma vez uma menina chamada Emilinha, que sonhava em ser princesa. 
Sonhou tanto com um mundo encantado, que se esqueceu do seu mundo real. 
E quando percebeu já não era mais ela, seu sonho se realizou e princesinha  se tornou.
Princesinha Emilinha. 
Vestido dourado, sapatinho de cristal, tudo como tinha de ser, ela não acreditava no que estava acontecendo tudo tão mágico, tudo como queria.
O mundo o qual ela agora pertencia, era tão diferente. 
Não havia meninos chatos, louças para lavar, escola, mochila e o barulho dos carros, tudo havia se desfeito como num passe de mágica.
Os meninos deram lugar para os príncipes, o barulho era o do piar dos passarinhos, as carruagens eram seus carros.
Mas, com o tempo a princesinha já não sorria mais, pois percebeu que não tinha a mamãe, o papai e nem seus amigos por perto. 
E a princesinha chorou, presa naquele mundo que ela criou.
Começou a sonhar em ser menina de novo, sonhar com seu mundo real. Como queria voltar. Queria ir para escola de mochila pesada nas costas, queria louças para lavar, mamãe e papai para abraçar.
De repente, ela acordou tudo não havia passado de um sonho. 
A menina ficou tão feliz, deu um pulo da cama, correu pelas escadas procurando sua mãe e seu pai, quando os viu,  os abraçou mais forte do que podia sua força abraçar. 
Então ela percebeu que a vida que queria, era a vida de menina, uma vida com meninos para perturbar, louças para lavar, carinhos para receber e mochila pesada nas costas para estudar.

Patrícia Rocha



A bailarina, tela do meu amigo e grande artista Smael.

Amanhã é Dia das Crianças, em comemoração, estou repostando, esse conto que fiz em dezembro de 2010.


Feliz Dia das Crianças para todos que nunca deixaram morrer a criança que existe dentro de vocês!

Beijos Lunáticos =**
Paty Lua

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Lembranças...


"Sou feita de gavetas...

lembranças amassadas, vestígios de infância, peças ousadas,

dobradas, perfumadas, bagunçadas, profundas, escuras, trancadas."

Renata Fagundes


domingo, 9 de outubro de 2011

Andando por aí...


‎"Em movimento, 
andando por aí
perdendo ou ganhando,
levando porrada, tentando amar."

Caio F. Abreu


sábado, 8 de outubro de 2011

"Às vezes ainda ofego um pouco,
mas quem disse que artista nasceu para sentir pouco? 
Importante agora é que o choro secou. Antes o meu pranto era cego. 
Tive que olhar longamente no espelho pra saber 
o que ainda poderia resgatar de mim. 
Não quis nada do que restou, 
quis o meu sorriso novo
minhas portas abertas e a vontade de saltar novamente no desconhecido. 
E hoje eu só choro se for de alegria."

Marla de Queiroz





"Não sei, deixo rolar. 
Vou olhar os caminhos, 
o que tiver mais coração, eu sigo."

Caio F. Abreu


quarta-feira, 5 de outubro de 2011


Não quero deixar-te lembranças... 
Quero estar inteira em sua vida. 

Sirlei L. Passolongo


terça-feira, 4 de outubro de 2011

"As coisas se arranjam,
não é preciso empurrar
com tanta força."

Clarice Lispector


sábado, 1 de outubro de 2011

De alma escovada e coração aberto!


"Ponha a saia mais leve, aquela de chita, 
E passeie de mãos dadas com o ar. 

Enfeite-se com margaridas e ternuras e
escove a alma de leves fricções de esperança.

De alma escovada e coração aberto, saia do
quintal, da janela, de si mesmo e descubra o
próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para
quem passe debaixo de sua janela...

Carlos Drummond de Andrade




 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo