quinta-feira, 31 de maio de 2012

Sabe a saudade? Então! Todos os dias ela me pergunta de você.


"Eu só queria ligar.
Falar que sinto falta, e que meus dias têm sido cinza por dentro depois que você se foi.
Porque você não foi inteiro. Você ficou na vontade e nas lembranças mais lindas, que insistem em me mostrar todo o tempo o quanto fui feliz com você.
Queria falar de saudade. Da novela. Do livro que tenho lido.
Queria ouvir sua voz entregando que eu também virei saudade, e que seu coração volta e meia te faz lembrar quando ‘nós dois’ éramos presente.
Eu preciso tanto falar. Meu silêncio grita. E esse desprezo de mentira que sinto por ti, machuca essa alma tão acostumada a falar desse amor. Amor que ainda mora em mim, talvez por ser (tão) de verdade.
Então eu não falo. (E escrevo.) E sinto essa ausência doer, como se fosse ontem o dia que você deu tchau.
Tchau, sim. Porque o mesmo instinto que disse que você iria embora, agora me diz que você vai voltar. Então eu vou falar tanto. Vou falar tudo. E vou deixar transbordar em forma de palavras tudo que tem sufocado o meu coração.

Sabe a saudade? Então! Todos os dias ela me pergunta de você."

Karla Tabalipa


Você sempre será o passado mais doce no meu presente.

Patrícia Rocha

sexta-feira, 25 de maio de 2012

A cura



Febre dos mil beijos
Delírio dos treze sussurros
Insônia dos cem desejos
Soluços dos seiscentos gemidos
Agonia dos dez dias distantes
Taquicardia das duas horas carnais

Leveza das horas pesadas, quando o desejo consome.
Certeza na incerteza que te ter me faz morada
Assim é você...
Chega como furacão, brasa, consome tudo por dentro.

Até ontem
Todo medicamento era ineficaz,
Vide minha bula
Hoje, quase depois da morte,
Vem você, minha cura.
(e atenua toda loucura) 

Seja segunda vida pós-primeira morte
- Eu sou sua...
Seja sede pó-sexo
- Eu sou tesão...
Seja curativo pós-açoite
- Sou sua salvação... 

Seja minha causa,
Cobaia
Vacina
Alimento
Repouso
Tratamento
Sou inicio
[indicio]
de uma cura
[causa]
sem fim.


Por Patrícia Rocha e Edu Soares




quarta-feira, 23 de maio de 2012

Códigos do amor


Será que tem que haver tantos códigos em uma conquista? 

Não entendo por que hoje é assim: 
-Não demonstre muito sentimento. 
-É capaz de o rapaz fugir. 
-Deixe que ele pense que você não está muito a fim. 
Ah, é tanto jogo, para um só objetivo: amar! 
Não gosto de joguinhos, isso me cansa. Quando eu quero algo (ou alguém) eu falo e ponto. E se vai dar certo, bem o destino dá um jeito. Mas não fico de meias palavras, verdade tem que ser inteira, não existem meias verdades e nem “meios” quereres. 

Desde quando amar virou jogo? Isso é só um sentimento. É tão bom amar, e se deixar amar. Parece que ficou piegas demais esse tal de amor. 
A modernidade desse século o sequestrou, por favor, peça resgate pago o preço que for. 
Amar virou coisa corajosa, de gente corajosa. Não é simples amar, requer muita técnica. 
E seus livros de autoajuda, já não ajudam muito. 

Enfim, isso me preocupa, gosto de escrever sobre o amor, com tudo que ele acarreta, suas saudades, suas dores e alegrias, seu suor... Mas vejo que está na moda ser solteiro, e não é só estado civil que falo, virou tendência, o homem exibe de forma heroica sua solidão, e a mulherada, diz: “antes só do mal acompanhada”. 
Tudo bem, eu acho heroico gostar de estar sozinho, porque eu não gosto. Gosto de companhia, de rotina e, em relação ao antes só do mal acompanhada, tenho minhas dúvidas, do que se refere isso. Nem sempre elas estão se referindo ao mau-caratismo de um homem, às vezes estão falando de beleza. 

Mas cada um tem seu ponto de vista. E o meu é o seguinte: não gosto de estar solteira! Acho muito chato não ter um abraço e um beijo quando eu quero. Gosto de estar acolhida em alguém. Ser porto seguro, andar de mãos dadas, e ter pra quem voltar depois do trabalho. 



Patrícia Rocha

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Seu dia...


Hoje é seu aniversário.
É tão estranho não lhe abraçar, não dar os parabéns.
E nessa frase contabilizo os seus, os meus e nossos aniversários.
Já se passaram quase 2 anos.

E acho que nunca vou esquecer seu dia e você... 
Então, sendo assim, sem magoa mas com muita saudade:
-Parabéns meu amor!


terça-feira, 15 de maio de 2012




quarta-feira, 9 de maio de 2012

Tudo começou na poesia.


Tudo começou na poesia. Muito envolvente. 
Ele rapaz que sabe usar as palavras.
Ela moça que sabe falar bem as palavras.
E assim seguiam. Eles se completavam poetizando.
Mas a fachada era simples. A amizade. Eles eram amigos.
Mas o flerte acontecia bem natural, entre um café aqui e um cigarro ali.

Pessoas passavam por suas vidas.
Mas eles continuavam com a sua poesia.

Até que o esperado aconteceu. Um beijo. Um simples beijo.
O suficiente para mexer com aqueles corações um tanto poéticos e um tanto quebrados de amar errado.
Mas esse beijo não foi o suficiente. Existe muita coisa que não é possível ver. Só dá pra sentir.

E eles sentiam muito. 
Do mesmo jeito que aquele beijo começou ele terminou. Em poesia. 

Eles continuam nessa amizade. 
Ela continua pensando no beijo e lendo a poesia dele.
E ele continua pensando no beijo e lendo a poesia dela.
Sem saber os dois seguem fazendo amor, através das palavras.

Patrícia Rocha



sexta-feira, 4 de maio de 2012

Sempre foi você.


Sempre foi você. 

Em cada ponto, 
em cada interrogação, 
em cada exclamação, 
em cada vírgula
 e continua nessas reticências... 

Em mim.


Patrícia Rocha


 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo