sábado, 24 de novembro de 2012

Começo meu. Fim nosso.


Acabou sim
Teus beijos repousados em mim
Tuas mãos que se faziam em mim
Esse teu jeito de me deixar de existir
Pra existir só em você.

Agora sim 
Você me deixou livre para partir
Reconstruir, voltar a existir.

É o fim de nós. 
E o começo de mim.


Patrícia Rocha




quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Tão inteira...

"Não tenho todas as respostas, há tempos deixei de me fazer perguntas.
Tenho experimentado uma sensação de plenitude,
de certeza leve e alma descansada.

Mesmo que a vida ou minhas escolhas tenham me despedaçado,
nunca me senti tão inteira."

Renata Fagundes

Brigitte Bardot

domingo, 2 de setembro de 2012

Mentiras.


"O dia mente a cor da noite e o diamante a cor dos olhos. 
Os olhos mentem dia e noite a dor da gente."


Fernando Anitelli 


sábado, 18 de agosto de 2012

A menina dos quatro ventos....


Ventava ao norte, sorria ao sul, brilhava a oeste e renovava-se ao leste.
Vinha de grandes tempestades e amanhecia de noites serenas.
Tinha um brilho do sol e brancura da lua.
Respirava a beleza das palavras e as tecia pelo tempo.
Ganhava da vida toda pintada de flor, sendo assim ela perfumava os dias, exalando amor.

E Perdia-se, por se achar demais, envolvida em suas linhas mal traçadas, escritas nas folhas das árvores, só esperando que o próximo vento a levasse.

Patrícia Rocha


terça-feira, 14 de agosto de 2012

Este dia não existiu...

Este dia não existiu
Foi música e acabou
Foi p'ra quem ouviu.

Este outro terminou
Antes da música
Que alguém pediu.

Eu vi um dos nossos dias
Passageiro e esculpido
Nos cavalos e anjos
Das nuvens de um dia frio.

Thiago Oliveira



Ps: Conheci o Thiago, poetizando pelas ruas do Centro do Rio.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Ando...


Ando te maldizendo
Em cada beijo dado ao vento
Em cada saudade tão pesada
Em cada noite mal dormida
Em cada música que toca a gente
Em cada passo dado, sozinha

Ando me refazendo
Em cada poema escrito
Em cada lágrima afogada

E ando te esquecendo...
Cada vez que me esforço para lembrar, de como era seu sorriso.

Patrícia Rocha


segunda-feira, 30 de julho de 2012

Dentro de nós.


De tanto te amar assim, nos confundimos dentro de nós.

Lara Gay


sábado, 28 de julho de 2012

Te carrego com todo o peso da saudade.

Te esqueço, como quem esquece uma toalha no chão.
Te recordo, como brisa que chega anunciando a chuva.
Te deixo entrar, como se aqui fosse seu lugar.
Te espero, mesmo sabendo que sua volta não é para mim.
Te concedo meu querer, mesmo sabendo que você não o permite para mim.
Te direciono, mesmo sabendo que sua estrada é paralela, nunca a mesma.
Te levo dentro da tristeza, te deixo dentro das vontades.
Te conjugo, sem traduzir os sentidos.
Te carrego com todo o peso da saudade.

Edu Soares e Patrícia Rocha

domingo, 22 de julho de 2012

Feitos de laço.


Juntos somos feitos de laço. 
A gente se enfeita.

Patrícia Rocha


sexta-feira, 20 de julho de 2012

O moço.


"Ele mora lá onde eu escondo os meus segredos
o moço mora no sorriso tímido 
e no corar do meu rosto quando estamos a sós."

Simone Oliveira



sábado, 14 de julho de 2012

Nem que por um minuto...


Ainda, nem que por um minuto, não terei tempo pra você. 
Ainda, nem que por um minuto, essa saudade deixara de te pertencer. 
Ainda, nem que por um minuto, tudo que eu escrever não será destinado a você. 
Ainda, nem que por um minuto, tua presença não será tão importante, sendo assim sua ausência não vai me fazer sofrer. 
Ainda, nem que por um minuto, tudo que aqui escrevo seja uma mentira pra mim mesma. 
Mesmo assim, ainda, nem que por um minuto. Vou fingir que nunca te amei.

Patrícia Rocha


terça-feira, 10 de julho de 2012

Sou pessoa inteira em mim.


Ando tão inteira nas minhas certezas, que hoje, vejo que tudo que se perdeu no passado, serviu para edificar as paredes do meu ser...
A saudade ainda existe, a falta do cheiro ás vezes aparece. Mas, tudo isso dura segundos, guardo e enfeito com laço... isso mesmo... laço, pois foi bom recordar, só que agora sou pessoa inteira em mim.

Patrícia Rocha


sábado, 30 de junho de 2012

Sobre as mulheres...


O que os homens sabem sobre as mulheres, nada contra a correnteza da coerência e desacredita na possibilidade da romântica afirmação “dois em um”, de preferência respeitando as singularidades.

Em uma versão mais simplificada, toda mulher tem uma alma de princesa e há certas coisas que combinam e outras que destoam do universo feminino. Será que os homens percebem isso? Esperançosa e sem nenhuma credibilidade literária, mas engajada na ideia de soltar minhas fantasias e acreditar na teoria de que o processo, maturidade e crescimento devem levar as pessoas a algum lugar; eu resolvi escrever sobre as brechas, as janelas e frestas desta princesa escondida em cada mulher.

Quero apenas avisar uma coisa a você que leu até aqui: isso não é um diário de bordo, porque não posso correr o risco de ter minhas lutas e labutas publicadas, uma vez que não dá ibope algum. Também não é uma caixinha de promessas, que garante milagres nas tarjetas. Nem bula de remédio prescrito para acertar as suas próximas milésimas conquistas femininas. Eu apenas desenho a minha textura e talvez a de muitas outras mulheres.

Sobre as mulheres:

1. Mulher é feita de um material sensível, sem exceção, portanto é sempre bom cuidar para não esgarçar.
2. Primeiro as mulheres, não é regra. Primeiro, vale apenas quando precisa colocar a mulher antes do futebol com os amigos.
3. Se quiser mesmo conquistar uma mulher, por favor, use originalidade. Mulher gosta de mostrar para as outras, o quanto ela é importante para alguém.
4. Os sentimentos e sintomas das mulheres são parecidos. Isso significa que todas odeiam traição e precisam ouvir que são amadas, com periodicidade necessária para dar-lhes segurança.
5. As indústrias de cosméticos vivem em função do universo feminino, então, por favor, valorize isso. Quando uma mulher demorar duas horas para escolher entre um jeans e um short, é porque aquilo realmente importa. Faça o favor de se importar também com o cabelo que ela cortou meio centímetro, com o novo pó compacto, com o batom deslumbrante.
6. Toda mulher quando vai a uma festa “nunca tem roupa”, mesmo com o guarda roupa lotado. Entenda isso como desejo de estar sempre bonita.
7. Mulher chora: de raiva, por amor, de tristeza, de alegria. Então, mulher chora e todo homem fica sem saber o que fazer com o choro feminino, achando-se impotente ou culpado. Talvez até seja.
8. Mulheres gostam de presentes e isso é sério. Um percentual considerável gosta de flores, outra parte gosta de chocolates e bombons, outra gosta simplesmente de presente. Quer agradar? Procure saber o que ela gosta e ofereça de presente. Se não tiver nada a oferecer, ofereça você (ela pode gostar disso também).
9. Mulheres têm medo de insetos. Muitas têm medo de baratas, outras de aracnídeos. Não questione e nem pesquise a respeito. Aceite que mulheres não entende que eles são pequenos e não vão causar qualquer dano.
10. Fotos de mulheres representam um capítulo a parte. Elas gostam mesmo de poses, caras, bicos e bocas. Mulheres fazem fotos de seus cãezinhos, seu gato, sua almofada, suas unhas, enfim mulher gosta de uma exposição, desde que não seja de motivos.
11. Mulher conta tudo para as melhores amigas e tem várias melhores amigas, portanto as maiores intimidades ficam entre quatro paredes e 12 amigas íntimas.
12. Mulheres ficam mais bem humoradas quando estão apaixonadas e para o seu conhecimento, o contrário disso também é verdadeiro.
13. Se você mentir para uma mulher, não se preocupe, ela vai dar um jeito de descobrir.
14. Mulher adora conversar. Escute-a e não discorde, ela quer apenas ser ouvida.
15. Discutir a relação é coisa feminina e dar um tempo no relacionamento é coisa de homem.
16. Algumas mulheres perdoam uma traição, mas ficam de orelha em pé e no próximo deslize jogam na cara.
17. A mulher quando sai de um relacionamento, ela muda. Muda o guarda roupa, muda o cabelo, muda o trajeto de carro, muda mesmo estando morrendo por dentro. A única coisa que não muda é o desejo que ela tem do ex-amado se ferrar, inclusive fica procurando saber se ele está bem. Se a resposta for positiva, ela procura ficar melhor ainda. Isso é sintoma camuflado de “eu te amo ainda, seu idiota”.
18. Mulher, quando é dispensada de uma relação ela faz absolutamente tudo para mostrar que nem se importou. Acredite, ela continua apaixonada.
19. Mulher tem fase, frases, períodos, épocas, verões, invernos, primaveras. Tem também livro predileto, ator preferido, filme inesquecível. Mulher é de uma coleção interminável de coisas e modos de viver. Acostume-se.
20. Nunca pergunte a idade de uma mulher . Adivinhe e sempre pra menos.
21. Mulher tem medo de envelhecer, pavor a celulite, gordura localizada, estrias. Você nunca notou nada disso? Ainda bem!
22. Geralmente mulher não tem boa orientação espacial. Procure saber o endereço direitinho.
23. Mulher tem instinto maternal. Isso significa que ela sempre vai tentar cuidar de você.
24. Mulher consegue a proeza de administrar trabalho, amigos, amor, família e ainda sobra fôlego para salão, shopping. Tente acompanhá-la em pelo menos uma destas opções.
25. Suas desconfianças são verdadeiras: mulher finge que está dormindo, finge que estão com dor de cabeça, finge que estão tudo bem, quando ela quer é te jogar pela janela abaixo.
26. Mulher pode ser o pódio ou a arquibancada, dependo do que for conveniente para ela, no momento. 

E finalmente, mulher gosta de amor, de ser amada. Ame. Mulher não se adapta ao gostar “como irmã”, querer bem e outros adjetivos mancos. O restante sobre a mulher, meu caro, renderia um livro com um turbilhão de afetos, exagero de sensibilidade, engajadas na busca de um amor tão definitivo, exato, absurdamente forte, com todos os refrões de canções para encantar e lágrimas de filmes românticos.

Ofereço assim um bônus:

Toda mulher deseja (veja bem, eu não disse precisa. Precisar é um capítulo à parte) conhecer um homem carinhoso, compreensivo, gentil, inteligente, com afinidades e química suficiente para deixá-la transtornada. Toda mulher deseja ser lembrada e esquecer qualquer data para ela é uma afronta. Toda mulher deseja que o homem seja essencialmente fiel, para merecê-la. Todas elas são romântica, mesmo as que se fazem de duronas. Mulher é feita de piro romantismo. Deus fez a gentileza de açucarar a mulher.

Este meu amigo, é o território feminino e eu presumo que o homem, feito da mesma matéria, procura isso também.


Texto da querida amiga Ita Portugal, eu recomendo uma visita no seu cantinho tão lindo!

Blog Rabiscos e Rabiscos



domingo, 24 de junho de 2012

É teu...

Meu riso, frouxo e largo, é teu, moço.

Bibiana Benites


domingo, 17 de junho de 2012

A menina cheia de manias.


Era uma vez uma menina cheia de manias. Sabida como ninguém. Tinha mania de querer recolher saberes por ai, bastava à curiosidade aguçar, guardava o saber no bolso. 

Suas manias eram todas de estimação. 

Roer as unhas, sua mãe não deixava não.
Mas, debaixo dos lençóis, feito caverna, lá estava ela, unha por unha, não sobrava nadinha...
Falar sozinha, essa ninguém aguentava.
Seus amigos achavam que era com eles que ela falava, que nada.
Essa menina imaginava, tanto, que voava... seus pensamentos iam a lugares mágicos.
Acho que tinha mania de asas, de ser pássaro. 

E assim a vida ia passando e cada vez mais essa menina cheia de manias, crescia.
Se você pensa que ela parou de colecionar manias, se engana.
Na sua estante, além dos livros, a menina, já mulher tinha um pedacinho de cada lugar que ela conhecia.
Dos lençóis maranhenses, trouxe a areia, bem fininha, ficava guardada no pote, pra dar sorte.
De Paris, miniatura da Torre Eiffel, pra lembrar aquele amor.
Das Cataratas do Iguaçu, um pouquinho da água.
Da Amazônia, trouxe um pé de pitanga.
 
Conchinhas, sabonetes de hotel, flores secas, e por aí vai, era mania de guardar lembranças.
Todas guardadinhas. Volta e meia era só abrir à gavetinha e pegar a mais acolhedora, abraçar e voltar a ser criança.


Patrícia Rocha


quarta-feira, 13 de junho de 2012

Prosear você...


Sinto teu cheiro de poesia 
Me encanta um conto 
Prosear você.

Patrícia Rocha


quarta-feira, 6 de junho de 2012

Quase amor.


Nós dois fomos feitos de quase. 
Quase amor.

Patrícia Rocha




segunda-feira, 4 de junho de 2012

Os vários fins.


Tenho percebido os vários fins ao meu redor. Estou me referindo aos términos de relacionamento. Estão cada vez mais constantes. E o fim deles representa uma geração. 

Uma geração que se amava e que por algum motivo deixou de se amar. 

Mas o pior não é só o fim em si. Mas o fim de tudo. Da amizade, do companheirismo e seus afins. 

Tenho visto os motivos mais dolorosos nos fins deles. E por conta disso, tudo se vai junto, as lembranças felizes, os sorrisos dados pelos os olhares. Sei do que estou falando. Passei por isso, com o fim do meu relacionamento. E sinto pena por tudo que se deixa de ser, pelo nada que vira. 

*“Coração não é tão simples quanto pensa...” verdade, não é mesmo, porque hoje se ama e se “desama” rápido, aparece uma dificuldade, loira (o), morena (o), ruiva (o), pronto começa a *“caber até o que não cabe na dispensa...”. 

E quem fica? Fica essa dor, essa saudade, essa desilusão, fica a poesia mal dita e mal rimada. Mas fica. Enquanto o outro vai. 

E deixar o outro ir, às vezes é bom, é porque não tinha que ser. Nessa hora tem que ter fé mesmo, fé em você. Ninguém é obrigado a ficar sem amor, e estar em um relacionamento, requer isso e outras coisas mais. 

Vida nova. Bola pra frente e dentre outras frases mais. 

Bem é claro que com o tempo boa parte da credibilidade no amor volta você começa a ver aquela luz no fim do túnel... Mas, vai devagar, sinta o caminho, pra não ser atropelado pelo trem do amor. E reza, reza forte, porque amar vale a pena. 

E pena de quem não se deixa levar, por esse tal de amor. 


Patrícia Rocha 



Ilustração Orlando Pedroso


* Trechos da Banda mais bonita da cidade.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Sabe a saudade? Então! Todos os dias ela me pergunta de você.


"Eu só queria ligar.
Falar que sinto falta, e que meus dias têm sido cinza por dentro depois que você se foi.
Porque você não foi inteiro. Você ficou na vontade e nas lembranças mais lindas, que insistem em me mostrar todo o tempo o quanto fui feliz com você.
Queria falar de saudade. Da novela. Do livro que tenho lido.
Queria ouvir sua voz entregando que eu também virei saudade, e que seu coração volta e meia te faz lembrar quando ‘nós dois’ éramos presente.
Eu preciso tanto falar. Meu silêncio grita. E esse desprezo de mentira que sinto por ti, machuca essa alma tão acostumada a falar desse amor. Amor que ainda mora em mim, talvez por ser (tão) de verdade.
Então eu não falo. (E escrevo.) E sinto essa ausência doer, como se fosse ontem o dia que você deu tchau.
Tchau, sim. Porque o mesmo instinto que disse que você iria embora, agora me diz que você vai voltar. Então eu vou falar tanto. Vou falar tudo. E vou deixar transbordar em forma de palavras tudo que tem sufocado o meu coração.

Sabe a saudade? Então! Todos os dias ela me pergunta de você."

Karla Tabalipa


Você sempre será o passado mais doce no meu presente.

Patrícia Rocha

sexta-feira, 25 de maio de 2012

A cura



Febre dos mil beijos
Delírio dos treze sussurros
Insônia dos cem desejos
Soluços dos seiscentos gemidos
Agonia dos dez dias distantes
Taquicardia das duas horas carnais

Leveza das horas pesadas, quando o desejo consome.
Certeza na incerteza que te ter me faz morada
Assim é você...
Chega como furacão, brasa, consome tudo por dentro.

Até ontem
Todo medicamento era ineficaz,
Vide minha bula
Hoje, quase depois da morte,
Vem você, minha cura.
(e atenua toda loucura) 

Seja segunda vida pós-primeira morte
- Eu sou sua...
Seja sede pó-sexo
- Eu sou tesão...
Seja curativo pós-açoite
- Sou sua salvação... 

Seja minha causa,
Cobaia
Vacina
Alimento
Repouso
Tratamento
Sou inicio
[indicio]
de uma cura
[causa]
sem fim.


Por Patrícia Rocha e Edu Soares




quarta-feira, 23 de maio de 2012

Códigos do amor


Será que tem que haver tantos códigos em uma conquista? 

Não entendo por que hoje é assim: 
-Não demonstre muito sentimento. 
-É capaz de o rapaz fugir. 
-Deixe que ele pense que você não está muito a fim. 
Ah, é tanto jogo, para um só objetivo: amar! 
Não gosto de joguinhos, isso me cansa. Quando eu quero algo (ou alguém) eu falo e ponto. E se vai dar certo, bem o destino dá um jeito. Mas não fico de meias palavras, verdade tem que ser inteira, não existem meias verdades e nem “meios” quereres. 

Desde quando amar virou jogo? Isso é só um sentimento. É tão bom amar, e se deixar amar. Parece que ficou piegas demais esse tal de amor. 
A modernidade desse século o sequestrou, por favor, peça resgate pago o preço que for. 
Amar virou coisa corajosa, de gente corajosa. Não é simples amar, requer muita técnica. 
E seus livros de autoajuda, já não ajudam muito. 

Enfim, isso me preocupa, gosto de escrever sobre o amor, com tudo que ele acarreta, suas saudades, suas dores e alegrias, seu suor... Mas vejo que está na moda ser solteiro, e não é só estado civil que falo, virou tendência, o homem exibe de forma heroica sua solidão, e a mulherada, diz: “antes só do mal acompanhada”. 
Tudo bem, eu acho heroico gostar de estar sozinho, porque eu não gosto. Gosto de companhia, de rotina e, em relação ao antes só do mal acompanhada, tenho minhas dúvidas, do que se refere isso. Nem sempre elas estão se referindo ao mau-caratismo de um homem, às vezes estão falando de beleza. 

Mas cada um tem seu ponto de vista. E o meu é o seguinte: não gosto de estar solteira! Acho muito chato não ter um abraço e um beijo quando eu quero. Gosto de estar acolhida em alguém. Ser porto seguro, andar de mãos dadas, e ter pra quem voltar depois do trabalho. 



Patrícia Rocha

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Seu dia...


Hoje é seu aniversário.
É tão estranho não lhe abraçar, não dar os parabéns.
E nessa frase contabilizo os seus, os meus e nossos aniversários.
Já se passaram quase 2 anos.

E acho que nunca vou esquecer seu dia e você... 
Então, sendo assim, sem magoa mas com muita saudade:
-Parabéns meu amor!


terça-feira, 15 de maio de 2012




quarta-feira, 9 de maio de 2012

Tudo começou na poesia.


Tudo começou na poesia. Muito envolvente. 
Ele rapaz que sabe usar as palavras.
Ela moça que sabe falar bem as palavras.
E assim seguiam. Eles se completavam poetizando.
Mas a fachada era simples. A amizade. Eles eram amigos.
Mas o flerte acontecia bem natural, entre um café aqui e um cigarro ali.

Pessoas passavam por suas vidas.
Mas eles continuavam com a sua poesia.

Até que o esperado aconteceu. Um beijo. Um simples beijo.
O suficiente para mexer com aqueles corações um tanto poéticos e um tanto quebrados de amar errado.
Mas esse beijo não foi o suficiente. Existe muita coisa que não é possível ver. Só dá pra sentir.

E eles sentiam muito. 
Do mesmo jeito que aquele beijo começou ele terminou. Em poesia. 

Eles continuam nessa amizade. 
Ela continua pensando no beijo e lendo a poesia dele.
E ele continua pensando no beijo e lendo a poesia dela.
Sem saber os dois seguem fazendo amor, através das palavras.

Patrícia Rocha



sexta-feira, 4 de maio de 2012

Sempre foi você.


Sempre foi você. 

Em cada ponto, 
em cada interrogação, 
em cada exclamação, 
em cada vírgula
 e continua nessas reticências... 

Em mim.


Patrícia Rocha


segunda-feira, 30 de abril de 2012

Trazendo quereres...


Cheia de interrogações. 
Quase desistindo.
Mas, você chega, cheio de reticências... 
Trazendo quereres.
Fazendo frases em mim.

Patrícia Rocha


quarta-feira, 25 de abril de 2012

Paixões residuais.


"Tire logo essas paixões residuais do seu coração
Quantos ex-amores vestidos de desamores ainda estão no seu guarda roupas?
Pra quê colecionar tanta peça velha cheia de traças?
Confesse, tem coisa que nunca lhe caiu bem
E mesmo assim você quis usar

Aprenda, aporrinhação não tem devolução 
E arrependimento não tem ressarcimento 
Veja, está na hora de colocar ordem nessa desordem
Do contrário, seu coração será apenas um cemitério 
Reles depósito fútil de restos imortais de quem passou anos atrás."



Texto do querido Edu Soares 






quinta-feira, 19 de abril de 2012

Crime perfeito.


Chegamos. 
Teu quarto ainda tem aquele cheiro, reconheço, é aqui que me entrego, sou tua. 
Brinco de não te pertencer e você brinca de ser meu 
Um crime perfeito. 
Tento. 

Cada parte do meu corpo pede por você. 
Então brinco de te pertencer e você brinca de não ser meu. 
Um crime perfeito. 
Tento.

Patrícia Rocha


segunda-feira, 16 de abril de 2012

Criando laços...


Cria laços 

Enfeita-te com versos 

Cantiga de ninar 

Recolhe suas lembranças 

E faz patuá.

Patrícia Rocha


sábado, 14 de abril de 2012


"Aí, tem gente que faz tão bem a gente. 
Que só precisa existir pra nos completar
Gente que parece anjo. 
Mas que tem a alma tão leve, 
mais tão leve que nem precisa de asas pra voar.."

Nayara Fernandes



quinta-feira, 12 de abril de 2012

Quantas vezes...


Quantas vezes quis ser seu amanhecer, 
mas só fui seu anoitecer. 

Quantas vezes quis ser canção para ti, 
e só fui refrão mal cantado. 

Quantas vezes quis ser entrada pra você, 
mas sempre estive de saída na sua vida. 

E quantas vezes quis ser muito... 
mas sempre acabei virando quase nada. 

Patrícia Rocha 



"E a tristeza parece poesia.

O Teatro Mágico

segunda-feira, 9 de abril de 2012

A falta que a tua falta faz.


"Eu deixo que a tua falta me invada. 
Me inunda. 
Até que eu não sinta mais
A falta que a tua falta faz."

Bibiana Benites




sexta-feira, 6 de abril de 2012

Em que momento o amor se desfaz, desaparece?


"... Não me imaginava colocando alguém no teu lugar, formando um par comigo. Antes disso, eu precisa entender como é que se diz para um homem "eu te amo" com tanta transparência, com tanta integridade, e depois se transfere essa frase para outro destinatário, com a justificativa de que isso é apenas o curso natural dos acontecimentos.
Em que momento o amor se desfaz, desaparece? ..."

Martha Medeiros - Trecho do livro Fora de mim.


quarta-feira, 4 de abril de 2012

Virar poesia...


Poetizar teu riso
Abraçar tuas palavras
Me enroscar nas tuas rimas
Virar poesia pra você.

Patrícia Rocha


quinta-feira, 29 de março de 2012

Reticências...


"...Quando caminhei com um pé nas nuvens e outro no chão, aprendi a sonhar. 
Quando nasci, passei a saber da morte. 
Quando morrer, aí então saberei da vida; nesta ciranda de amores e cores, espelhos e reflexos, jardins e degraus. 
Sou reticências, para que todas as coisas venham a mim e em mim continuem..."

Guilherme Antunes


sábado, 24 de março de 2012

Planos desfeitos...


Estava estendendo a roupa, arrumando a casa, nossa casa...

Revi os planos feitos nela.
Um a um.
Planos desfeitos.
Um a um.


Cada canto que retirava o pó dava lugar para uma lembrança.
Lembrei de tanta coisa.
Do tanto amor que ali havia.
E tudo agora, se resumia a limpar...
E vou limpando...
Até um dia remover você dessa casa
Vou pintar as paredes, mudar os móveis de lugar, comprar cortinas novas...
Reformar nossa casa...

Meu coração não será mais sua morada. 

Patrícia Rocha





quinta-feira, 22 de março de 2012

Nasceu da poesia...


Se vai dar certo... Se não...
Ah deixa ver, deixa estar!
Senta aqui, sente meu coração...
Está acelerado...
Isso é vontade de você, de fazer acontecer
Quero que aconteça a gente

Tanto tempo e tudo tão guardado
Quero teus beijos 
E teus carinhos 

Quero seu tua 
E quero você em mim... 
Nasceu do pontuar...
Nasceu da poesia, da nossa poesia!

Patrícia Rocha


quarta-feira, 21 de março de 2012

Te enxergar no escuro...


"Só de me encontrar no seu olhar
Já muda tudo
Posso respirar você
E posso te enxergar no escuro..." 

Seu Jorge


sexta-feira, 16 de março de 2012

Conviver com o que ficou...


"A gente faz que entende.
Que encara o desapego;
subestima com naturalidade.

A gente até tenta,
dar as costas ao passado;
conviver com o que ficou.

Mas bem lá fundo,
tudo ainda se move...
Tem dias que o que mais se quer,
é ouvir que nada mudou."

Patty Vicensotti


terça-feira, 13 de março de 2012


Sou tantas...
De tantos... 
E no entanto sou só tua

Patrícia Rocha


domingo, 11 de março de 2012



Pontuei com reticências meus desejos por você 

(...)

Patrícia Rocha


terça-feira, 6 de março de 2012

Abrigo certo...


Vem ,que meu corpo é abrigo certo
Para as incertezas do nosso amor...

Patrícia Rocha

sexta-feira, 2 de março de 2012

Nós

Eu fui "nós", quando deveria ser "eu".
Fui amor, enquanto você era desamor
Fui inteira, enquanto você foi pedaço
Fui soma, enquanto você diminuía

Conjuguei meu melhor verbo
Te transformei em poesia
E você só me calculava em sua matemática
E não me via.

Patrícia Rocha


Sinto sua falta
Sinto falta de tudo
Dos pedaços
Dos inteiros
Do cheiro
De como você me amava...


"És parte ainda do que me faz forte, pra ser honesto só um pouquinho infeliz..."
Renato Russo

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Todo caminho é começo!



"Não subestime o tempo das voltas, nem diminua a leveza nos passos. 

Todo caminho é começo."

Priscila Rôde


sábado, 11 de fevereiro de 2012



"A ternura pode surgir num segundo de invigilante distração. 
Se esse descuido perdurar um pouquinho mais poderá virar afeto-pra-toda-vida."

Moreno Pessoa


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Bem perto...


Cheguei perto... bem perto.
Senti sua respiração
Seu corpo me queria
E eu me queria... inteira

Se me entregasse a você naquele momento
Como me teria de volta?

Quando se tem cicatrizes, se pensa...
No porém...
No talvez...

Porém se tivesse te beijado
Talvez se tivesse me entregado.

Patrícia Rocha





segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Viva la vida!

"Vida vem cá, vem. 
Que eu vou me lambuzar!
O que escorrer o acaso lambe."

Fernanda Estellita


Boa semana amigos Lunáticos =) 

Beijooooo

Paty

sábado, 28 de janeiro de 2012

Café na cama...


"Hoje ela me acordou cedo
Fez um acordo com meu despertar
E como quem quer algo
De cara, deu aquele sorriso típico
De quem tem tudo a oferecer
Café na cama
Ela me abraça e diz que me ama
Depois, abre os braços e a cortina
De espirito aventureiro
Mostra o coqueiro
E pede para ir à praia
Mal coloco a roupa
E vem a louca
A me jogar no chão
Desarrumamos o quarto
Desavisamos o guia
Destinamos nossa intimidade
A revelia de qualquer tipo de monotonia
Deu no que deu
Ela deu o caminho
E eu dei o carinho
Desacatamos as regras locais
Era muita vontade
para ficar destinada ao “agora não, logo mais” 
Eu sabia...
Nos primeiros minutos daquela manhã
Janela aberta com vista para Jacumã
Aquele dengo devasso...
Alguma coisa ela queria

Nunca vi loira com jeito de mulata baiana
Boa na cozinha e de cama
A mulher devora minha fome
Quando vou me dar conta
Perco a conta de quantas vezes ela me deixa com água na boca
Que venham os temperos 
Que venham seus beijos
Com o calor do Nordeste
Que farão demorar nossas 
Noites quentes do subúrbio.

E além de tudo 
Ela baila comigo 
Como quem embala uma criança
Daqui a pouco terá outra dança
Estarei a esperar aqueles braços abertos
E o sorriso típico
De quem tem tudo a oferecer."



COQUEIRO 
Texto delícia do meu querido Edu Soares.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Meu coração é seu!


"O meu coração 
(é)
conhece cada gesto seu."


Ana Carolina


 
©Suzanne Woolcott sw3740 Tema diseñado por: compartidisimo